O que é videolaparoscopia?

A videolaparoscopia é um procedimento de endoscopia no qual se visualiza a cavidade abdominal por meio do Laparoscópico acoplado a uma câmara de vídeo. É um procedimento que através de uma pequena incisão (em torno de 1 centimetro) normalmente na cicatriz umbilical (por motivos estéticos) permite observar toda a cavidade abdominal e pélvica. É considerado o “Padrão Ouro” no diagnóstico, porque a visualização direta dos órgãos, quando realizado por médico experiente, permite o diagnóstico definitivo.

A videolaparoscopia permitirá num mesmo procedimento, transformar-se de Diagnóstica em Cirúrgica, pois quando identificado alterações, fazer a correção cirúrgica (Videolaparoscopia Cirúrgica).

Onde devo realizar exame de videolaparoscopia?

Nosso Centro de Medicina Reprodutiva foi um dos pioneiros e desde então é referência no assunto em todo o Brasil.

Nossa experiência em Laparoscopia iniciou em 1981 e, em Videolaparoscopia, em 1987. Em 1990, foi criado o “TROCAR – Serviço de Videolaparoscopia Ginecológica”o qual além de procedimentos contribuiu através de Cursos “Hand-on” para o ensinamento desta técnica cirúrgica para mais de 300 médicos.

A investigação da Dor Pélvica Crônica e da Infertilidade são as condições clínicas que mais indicam a necessidade de realizar uma Videolaparoscopia Diagnóstica.

Em 1992, realizamos a primeira Histerectomia (retirada do útero) por via videolaparoscópica. Foi o segundo procedimento realizado no Brasil e o terceiro na America Latina. A primeira histerectomia videolaparoscópica no mundo, havia sido realizada dois meses antes, nos Estados Unidos.



Hoje, a totalidade das cirurgias na área ginecológica são por nós realizadas, através desta via de acesso cirúrgico:



Histerectomias (retirada do útero)
Miomectomias (retirada de miomas)
Cirurgia da Endometriose
Tratamento dos Cistos Ovarianos
Cirurgias das Trompas
Cirurgia da Incontinência Urinária (perda involuntária de urina)
Cirurgia da Dor Pélvica

Quais as vantagens de usar a videolaparoscopia?

As principais vantagens da Videolaparoscopia são: ser menos invasiva, ter menor incidência de complicações pós-operatórias, menos dor ao paciente e menor custo para a realização. Além disso possibilita uma recuperação pós-operatória muito mais curta, permitindo um rápido retorno às atividades produtivas para o paciente, pois é uma cirurgia ambulatorial (a paciente vai para o hospital uma hora antes da cirurgia e retorna para sua casa após a recuperação da anestesia).

Para que serve a videolaparoscopia?

A videolaparoscopia pode ser utilizada tanto como método diagnóstico, como também como opção de tratamento. Quando utilizada para fins diagnósticos, a videolaparoscopia pode ser útil na investigação e confirmação de:

Problemas na vesícula e no apêndice
Endometriose
Doença peritoneal
Tumor abdominal
Doenças ginecológicas
Aderencias
Dor abdominal crônica sem causa aparente
Gravidez ectópica

Quando indicada para fins terapêuticos pode ser indicada para:

Retirada da vesícula e do apêndice
Correção de hérnia
Tratamento de hidrossalpingite
Retirada de lesões ovariana
Retirada de aderências
Laqueadura das trompas
Histerectomia total
Retirada de mioma (Miomectomia)
Tratamento de distopias genitais
Retirada de apêndice
Cirurgia da Endometriose.

Como a videolaparoscopia é realizada?

Trata-se de um pequena cirúrgia de baixo risco anestésico e cirúrgico, realizado com anestesia geral. Consiste na realização de um pequeno corte (1,5 cm) na cicatriz umbilical por onde é introduzido um pequeno tubo (Laparoscópio) que contém uma microcâmara, precedido da insuflação de gás carbônico.

Além desse corte, normalmente são realizados outros pequenos cortes (1 cm) na região pélvica inferior por onde passam outros instrumentos para explorar a região pélvica, abdominal ou para realizar a cirurgia. A microcâmera é usada para melhor visualização de todo o interior da região abdominal e pélvica, sendo possível identificar com precisão alterações, promover sua recuperação cirúrgica e remoçõe. Em nosso serviço, temos como conduta a gravação em DVD de todo o procedimento. O vídeo cirúrgico é guardado junto ao prontuário da paciente, e normalmente após a cirurgia procuramos mostrar a paciente para que ela tenha conhecimento do que foi achado e qual a conduta cirúrgica adotada. Se a paciente desejar, fornecemos de rotina uma cópia do vídeo cirúrgico.

O preparo para realizar o exame consiste na realização de exames , pré-operatórios e a avaliação do risco cirúrgico, e como este exame explora a cavidade abdominal é necessário esvaziar completamente o intestino usando laxantes sob indicação médica no dia anterior ao exame.

Quando uma videolaparoscopia não deve ser realizada?

Em caso de gravidez avançada, nas pessoas com obesidade mórbida ou quando a pessoa se encontra gravemente debilitada.
Em caso de tuberculose no peritônio, câncer na região abdominal, massa abdominal volumosa, obstrução intestinal, peritonite, hérnia abdominal ou quando não é possível aplicar anestesia geral

Como é a recuperação da videolaparoscopia?

A recuperação da cirurgia por videolaparoscopia é muito mais rápida que numa cirurgia convencional, pois há menos cortes e o sangramento durante a cirurgia é mínimo. O tempo de recuperação de uma cirurgia por videolaparoscopia dura de 4 a 8 dias, dependendo do procedimento. Depois desse período a pessoa pode voltar gradativamente às atividades diárias de acordo com a recomendação médica.

Logo após a videolaparoscopia é normal sentir dor no abdômen, dor nos ombros, ficar com intestino preso, sentir-se inchado, enjoado e com vontade de vomitar. Por isso, durante o período de recuperação, deve-se descansar o máximo possível e evitar ter relações sexuais, dirigir, fazer esforço e exercícios nos primeiros 15 dias.

Quais a possíveis complicações de uma videolaparoscopia?

Embora esse exame seja o melhor para concluir o diagnóstico de algumas doenças e ter uma melhor recuperação, quando utilizada como forma de tratamento, assim como outros procedimentos cirúrgicos, a videolaparoscopia apresenta alguns riscos para a saúde, como hemorragia em órgãos importantes como fígado ou baço, perfuração do intestino, bexiga ou útero, hérnia no local da entrada dos instrumentos, infecção do local, por exemplo.